PEIXES

 

 Home page
Sobre mim
Material
Recordes
Peixes
Conselhos
Legislacao

 

 

O objectivo de fornecer informação sobre peixes é facilitar o seu reconhecimento e ao mesmo tempo ajudar a conhecer os seus hábitos e características principais.

 

 

 

 

Ø O Mero

Vou começar com o mero, pois é sem dúvida o símbolo da pesca submarina.

 

 

Nome Comum: Mero

Em Inglês: Grouper, Dusky

Nome Científico: Epinephelus Marginatus

Classe: Ostheichthyes

Ordem: Perciformes

Família: Serranidae

 

Esta espécie de mero pode atingir cerca de 60 kg, e viver 50 anos aproximadamente.

Gosta de habitar em fundos rochosos, sendo solitário e extremamente territorial, frequenta profundidades que oscilam entre os 8 e os 300 metros e alimenta-se de caranguejos e cefalópodes, como o polvo, sendo que os maiores exemplares se alimentam principalmente de outros peixes.

Habita o Atlântico Oriental, o Ocidente do Oceano Índico, está presente desde a costa mais a sul de África até Moçambique e Madagáscar,  está presente também no Atlântico Ocidental, no Sul do Brasil, Uruguai e Argentina.

Com o mesmo nome de Mero, existem outras espécies variantes desta, como o Epinephelus itajara, o gigante (em inglês: Grouper, Goliath), que pode pesar mais de 300 kg, existe também o Epinephelus guaza, muito semelhante ao Marginatus, e existem outros, que não mencionarei aqui.

 

Voltar ao Topo

 

   

Ø O Sargo

 

 

Nome Comum: Sargo legítimo, Sargo

Em Inglês: White seabream

Nome Científico: Diplodus sargus sargus

Classe: Ostheichthyes

Ordem: Perciformes

Família: Sparidae

 

 Pode atingir cerca de 45 cm, e perto de 2 kg de peso, os adultos não apresentam faixas.

Encontra-se normalmente a profundidades que oscilam entre os 5 e os 50 metros. Vive em zonas rochosas, junto ao litoral, sendo extremamente activo, pode ainda encontrar-se em locais de arrebentação, especialmente no final da tarde.

É carnívoro, alimentando-se de moluscos, vermes, equinodermes (ouriços do mar, por ex.) e crustáceos.

Encontra-se distribuído pelo Atlântico Oriental, No Golfo da Biscaia e Mediterrâneo, até à África do Sul, incluindo o Mar Negro.
 

Voltar ao Topo
 

 

Nome Comum: Sargo-safia, Sargo

Em Inglês: Common two-banded seabream

Nome Científico: Diplodus vulgaris

Classe: Ostheichthyes

Ordem: Perciformes

Família: Sparidae

 

Pode atingir cerca de 40 cm, e perto de 1,5 kg de peso, tem uma mancha no pedúnculo caudal e, por vezes, uma faixa (apenas) junto à cabeça, mas não apresenta faixas verticais ao longo do corpo.

Encontra-se a profundidades que oscilam entre os 0 e os 160 metros, mas mais frequentemente a menos de 50 metros. Vive em zonas rochosas, junto ao litoral, ou em fundos arenosos.

É carnívoro, alimentando-se de moluscos, vermes e crustáceos.

Encontra-se distribuído pelo Atlântico Oriental, desde o Golfo de Biscaia, até Cabo Verde e ilhas Canárias, Mar Mediterrâneo e Mar Negro, e também de Angola à África do Sul.

 

Voltar ao Topo
 

 

Nome Comum: Sargo veado

Em Inglês: Zebra seabream

Nome Científico: Diplodus cervinus cervinus

Classe: Ostheichthyes

Ordem: Perciformes

Família: Sparidae

 

Este peixe possui bandas verticais longas, achocolatadas, mas sem mancha no pedúnculo caudal e pode atingir cerca de 60 cm, e perto de 3 kg de peso.

Encontra-se a profundidades que oscilam entre os 30 e os 300 metros, mas mais frequente até aos 80 metros. Vive em fundos  infralitorais rochosos.

É omnívoro, alimentando-se de pequenos invertebrados e de plantas aquáticas.

Encontra-se distribuído pelo Oceano Atlântico e noroeste do Mar Mediterrâneo.

 

Para distinção dos vários sargos será importante ter em conta:

O Diplodus sargus cadenati - muito comum nos Açores, tem o corpo oval, elevado e é comprimido dorso-ventralmente, boca ligeiramente protáctil (distensão anterior dos maxilares no momento de ingestão da presa), a cor dominante é o prateado e, para além de uma mancha no pedúnculo caudal, apresenta faixas verticais, mesmo nos maiores indivíduos.

Diplodus puntazzo – (Sargo bicudo) a melhor característica para reconhecimento é possuir maxilares especialmente projectados anteriormente.

Diplodus sargus lineatus apresenta faixas muito pronunciadas e mancha no pedúnculo caudal.

Diplodus annularis - (Sargo alcorraz, Mucharra) banda vertical negra junto à cauda, dorso acinzentado; ventre pratiado, tamanho 20-25 cm.

Voltar ao Topo

 

 

 

Ø O Robalo

 

Nome Comum: Robalo

Em Inglês: European seabass

Nome Científico: Dicentrarchus labrax

Classe: Ostheichthyes

Ordem: Perciformes

Família: Serranidae

 

Pode atingir o comprimento de um metro e pesar cerca de 12 kg, tem uma longevidade máxima de 15 anos.

Encontra-se normalmente em profundidades até aos 100 metros, e prefere água agitada, sendo por isso frequente encontra-lo na espuma (caça na espuma).

É uma espécie litoral, que suporta muito bem as mudanças de salinidade da água, habitando vários tipos de fundos, em estuários, lagoas, e ocasionalmente em rios, essencialmente no Verão, já que no Inverno tem tendência a procurar águas mais profundas.

A principal alimentação do robalo são os camarões, moluscos, e sendo um predador muito voraz, busca igualmente outros peixes, como a sardinha e a anchova.

Encontra-se no Atlântico, desde a Noruega até Marrocos, incluindo o Mar Mediterrâneo e Mar Negro.
 

Com o mesmo nome de robalo existem várias espécies de peixe, uma das quais tem uma fotografia na página dos recordes, o (Common snook) Centropomus undecimalis.

 

Voltar ao Topo

 

   

Ø O Safio/Congro

 

 

Nome Comum: Safio, Congro

Em Inglês: European conger

Nome Científico: Conger conger

Classe: Actinopterygii

Ordem: Anguilliformes

Família: Congridae

 

Peixe de feitio esguio , que habita normalmente junto à costa e em fundos rochosos, pois vive em buracos de onde sai para caçar durante a noite, patrulhando o seu território em busca de alimentação, É um parente próximo da enguia, mas vive apenas na água salgada. Atinge a maturidade sexual entre os 5 e os 15 anos de idade.

De grande porte, tem uma boca grande com bordos grossos e maxilas muito poderosas com duas fileiras de dentes pontiagudos. Pode atingir os 75/100 quilos e os 2/3 metros, não sendo invulgar na nossa costa a captura de exemplares com mais de 10 quilos. A sua cor varia de acordo com o habitat.
 

Voltar ao Topo

 

 

 

Ø O Bodião

 

 

Nome Comum: Bodião

Em Inglês: Ballan Wrasse

Nome Científico: Labraus bergylta

Classe: Actinopterygii

Ordem: Perciformes
Família: Labridae

 

Espécie sedentária, comum nas águas portuguesas, habita preferencialmente zonas resguardadas, de rocha ou com ervas marinhas, até aos 25 metros de profundidade.

Muito activos durante o dia, altura em procuram alimento, são solitários, extremamente territoriais e hermafroditas, já que todos nascem fêmeas e algumas mudam numa fase posterior para machos. Apresentam olhos salientes, boca pequena em relação ao tamanho do corpo e o corpo revestido de pequenas e finas escamas, com barbatanas pouco desenvolvidas.

As suas cores mais vulgares são o castanho e o verde, podendo variar entre cores únicas, manchas de cores variadas, cores do arco íris e outras típicas dos peixes tropicais. As diferentes cores e morfologias do corpo dividem-nos em várias espécies encontradas em Portugal, podendo algumas atingir 1 metro de comprimento e 4/5 quilos de peso.

Para a caça deste peixe, a melhor táctica é a caça no buraco. Dependendo do "nervosismo" do peixe dará mais ou menos tempo para procurar a melhor posição de tiro. Caso o peixe esteja "nervoso" a melhor coisa é dar um tiro imediato, mas tendo em atenção que se for mal arpoado provavelmente conseguirá fugir.

Quanto ao Bodião talvez importe ainda referir que existem inúmeras espécies distintas, que seria impossível descrever aqui.
 

Voltar ao Topo

 

 

 

Ø A Dourada

 

 

Nome Comum: Dourada

Em Inglês: Gilthead seabream

Nome Científico: Sparus aurata

Classe: Actinopterygii

Ordem: Perciformes
Família: Sparidae

 

As douradas (são da família dos sargos, pargos, bogas e gorazes), têm o corpo oblongo, coberto de escamas geralmente dentadas. Têm três espinhos na barbatana anal. O céu da boca é liso e possuem uma dentição característica, com dentes incisivos cortantes (4 ou 6 em cada maxila) e os posteriores arredondados (em três fiadas). Esta dentição permite-lhe partir as conchas grossas dos moluscos de que se alimentam. Habitam os mares tropicais e temperados (nas partes mais quentes), sendo relativamente abundante no Mediterrâneo e Atlântico, na costa portuguesa. Peixe sedentário e solitário, pode também enquadrar-se em pequenos cardumes.

Vive normalmente próximo das costas e desova no Verão - é um peixe essencialmente carnívoro, mas muito tímido. Pode atingir 1 metro ou mais de comprimento e mais de 15 quilos de peso. A sua carne é um pouco seca mas de um gosto excelente. Aparece até aos 150 metros de profundidade, mas é entre os 25 e 30 metros que se sente mais à vontade.
 


Voltar ao Topo

 

   

Ø O Pargo

 

 

Nome Comum: Pargo

Em Inglês: Common seabream

Nome Científico: Pagrus pagrus

Classe: Actinopterygii

Ordem: Perciformes
Família: Sparidae

 

Da mesma família do sargo e dourada, o pargo é uma das espécies preferidas pelos apreciadores de peixe. Há muitas variantes de pargo, sendo o mais vulgar nas nossas costas o pargo de cor avermelhada (pargo rosa). Ainda relativamente frequente no nosso litoral atlântico, Açores e Madeira. Prefere fundos de pedra ou coral e vive normalmente desde a costa até aos 250 metros de profundidade. Vive em cardumes e tem o dorso avermelhado com o ventre mais claro - muitas vezes quando capturados ficam com o corpo malhado. Atingem os 8 /10 quilos e os 60 cm. Peixe de fundo, alimenta-se de crustáceos e moluscos. Tem valor comercial em Portugal, onde é muito apreciado.
 

Voltar ao Topo

 

   
   

Home page | Sobre mim | Material | Recordes | Peixes | Conselhos | Legislacao

Última actualização 12/01/06

Copyright © 2006 PescaSubmarina.web.pt.  Todos os direitos reservados ®